A maior, primeira e mais sublime vocação: a Santidade !

Com a memória de Santo Afonso Maria de Ligório, pai de todos os moralistas do mundo, iniciamos o mês de agosto, que, na Igreja no Brasil é considerado um mês temático, propício para refletirmos acerca das vocações específicas em toda a riqueza da vida da Igreja Católica, mãe e mestra, que nos conduz na via deste mundo rumo à cidade do Céu.

A Constituição Dogmática Lumen Gentium, do Concílio Ecumênico Vaticano II, recorda, em seu número 5, o Chamado, portanto, a vocação universal à santidade; pela graça do Batismo, quando somos incorporados na Igreja, recebemos as virtudes teologais da fé, esperança e caridade e somos constituídos o novo Povo de Deus, ou seja, Povo de Sacerdotes, Profetas e Reis. Na Igreja existem duas condições pessoais dentro das quais se pode responder à vocação: a condição clerical e a condição laical, e dentro dessas duas condições pode-se também viver o estado religioso, que é o daqueles que professam os Conselhos Evangélicos de pobreza, castidade e obediência.

O Documento de Aparecida, fruto da V Conferência Geral do Episcopado Latinoamericano e Caribenho, trata  as duas condições,  especificando o modo de viver a vocação de Discípulos-Missionários em cada um dos três graus do Sacramento da Ordem, na condição laical e no estado religioso.

O Documento de Aparecida possui uma página de ouro no capítulo quinto, dedicado à comunhão, onde afirma que na Igreja todos somos discípulos missionários. Tanto o Bispo como o presbítero, o diácono, o leigo, o consagrado e a consagrada, todos vamos no caminho do seguimento de Jesus Cristo.

Então, qual é a diferença? Aparecida o diz no subtítulo 5.3: “Discípulos missionários com vocações específicas”. Assim, o Bispo é missionário de Jesus, Sumo sacerdote; o presbítero, de Jesus Bom Pastor; o diácono, de Jesus Servidor; os leigos e leigas, de Jesus Luz do Mundo; e os consagrados e consagradas, de Jesus Testemunho do Pai. Todos somos discípulos-missionários!

“Os leigos também são chamados a participar na ação pastoral da Igreja, primeiro com o testemunho de vida e, em segundo lugar, com ações no campo da evangelização, da vida litúrgica e outras formas de apostolado, segundo as necessidades locais, sob a guia de seus pastores. Estes estarão dispostos a abrir para eles espaços de participação e confiar-lhes ministérios e responsabilidades em uma Igreja onde todos vivam de maneira responsável seu compromisso cristão. Aos catequistas, ministros da Palavra e animadores de comunidades que cumprem magnífica tarefa dentro da Igreja, os reconhecemos e animamos a continuarem o compromisso que adquiriram no Batismo e na Confirmação” (DAp 211).

O Diácono, além do seu serviço habitual na vida paroquial e diocesana, teria uma diversidade de desafios, como o acompanhamento na criação e na formação de novas comunidades eclesiais; no fortalecimento de uma comunhão entre os diáconos e com os presbíteros; o ministério ao lado dos mais necessitados e excluídos da sociedade; o apostolado familiar e a colaboração na renovação das Pastorais Sociais

O Papa Bento XVI assim se expressou com relação aos presbíteros: “Os primeiros promotores do discipulado e da missão são aqueles que foram chamados “para estar com Jesus e ser enviados a pregar” (cf. Mc 3,14), ou seja, os sacerdotes. Eles devem receber de modo preferencial a atenção e o cuidado paterno dos seus Bispos, pois são os primeiros agentes de uma autêntica renovação da vida cristã no povo de Deus. A eles quero dirigir uma palavra de afeto paterno desejando “que o Senhor seja parte da sua herança e do seu cálice” (cf. Sl 16,5). Se o sacerdote fizer de Deus o fundamento e o centro de sua vida, então experimentará a alegria e a fecundidade da sua vocação. O sacerdote deve ser antes de tudo um “homem de Deus” (1Tm 6,11); um homem que conhece a Deus “em primeira mão”, que cultiva uma profunda amizade pessoal com Jesus, que compartilha os “sentimentos de Jesus” (cf. Fl 2,5). Somente assim o sacerdote será capaz de levar Deus – o Deus encarnado em Jesus Cristo – aos homens, e de ser representante do seu amor.

Falar de discipulado-missão, é falar da centralidade e da dimensão constitutiva da Igreja. Ontem, como hoje, Jesus segue chamando e enviando; e o seguimento é a atitude básica que se pode viver em diferentes formas na comunidade eclesial. Hoje, mais que em outros tempos, esse seguimento implica um estilo novo de vida no meio da sociedade. O Papa nos disse que “Discipulado e missão são como as duas faces de uma mesma moeda: quando o discípulo está apaixonado por Cristo, não pode deixar de anunciar ao mundo que só Ele nos salva (Hb 4,12). Com efeito, o discípulo sabe que sem Cristo não há luz, não há esperança, não há amor, não há futuro” (DAp 146).

Com a consciência de pastores, fizemos esta pergunta em Aparecida: Como nós, Bispos, vivemos esta dimensão de ser discípulos missionários? A esse respeito vêm à memória as palavras de Agostinho de Hipona: “Lembra-te que estás mais acima não porque sejas o primeiro. Mas, à frente, como o dono da vinha que constrói uma torre para poder ver melhor a vinha… Lembra-te que és servo dos servos de Deus”.

Também a vida religiosa é um dom do Pai, por meio do Espírito Santo, à Igreja; é um caminho especial do seguimento de Jesus; está convocada a ser discípula, missionária e servidora do mundo; é testemunho de que somente Deus basta para chegar à vida de sentido e de alegria. Essas são algumas das belas expressões que utilizaram os Bispos latinoamericanos e caribenhos para se referir à vida consagrada.

No campo da missão, as consagrada e consagrados estão chamados a fazer um anúncio explícito do Evangelho, especialmente aos mais pobres, em seus lugares de presença, em sua vida fraterna e em suas obras. Também estão chamados a colaborar, a partir de seus carismas fundacionais, na gestação de uma nova geração de discípulos missionários e de uma nova sociedade onde se respeite a justiça e a dignidade da pessoa humana. E, por último, está chamada a ser experta em comunhão, tanto no interior da Igreja como na sociedade.

Na riqueza de vocações na Igreja, leigos, diáconos, presbíteros, bispos, consagrados, quero ressaltar que a maior, primeira e mais sublime vocação é a santidade. Sem a santidade de vida e de estado nossa pregação é nula. Refeitos por um compromisso de anunciar o Evangelho, na vida própria de cada um, busquemos sempre novas formas para viver e dar testemunho da santidade, iluminando nossa vida com a nossa palavra e o nosso exemplo.

+ Orani João Tempesta, O. Cist.
Arcebispo Metropolitano de São Sebastião do Rio de Janeiro, RJ

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: