A dignidade do Sacerdócio

 
 

< Se tivéssemos fé, veríamos Deus oculto no Sacerdote, como a luz por trás da vidraça, como vinho misturado na água.  Devemos considerar o Padre quando está no altar e no púlpito como se fosse o próprio Deus. Oh! como o Sacerdote é algo sublime! Se ele se apercebesse morreria: Deus lhe obedece, diz duas palavras e Nosso Senhor desce do céu para as suas mãos. 
 
 Se não tivéssemos o Sacramento da Ordem, não teríamos Nosso Senhor. Quem o colocou no tabernáculo? O Padre. Quem foi que recebeu nossa alma à entrada da vida? O Padre. Quem a alimenta para lhe dar força de fazer sua peregrinação? O Padre. Quem a preparará para comparecer perante Deus, lavando a alma pela última vez no sangue de Jesus Cristo? O Padre, sempre o Padre. E se alma vier a morrer, quem lhe transmitirá as graças da  ressurreição de Cristo,, quem lhe dará a calma e a paz? Ainda o Padre. Não há benefício alguma de que vos lembreis sem ver logo ao lado desta recordação a figura do Sacerdote.  O Sacerdote tem as chaves dos tesouros celestiais; é o procurador de Deus, é o ministrador de seus bens.
 
O Padre não é para si mesmo. Não dá a si a absolvição. Não administra a si os sacramentos. Ele não é para si, é para vós.  E se um Padre vier a morrer em conseqüência dos trabalhos e sofrimentos suportados pela glória de Deus e a salvação das almas não seria nada mal. O Sacerdote só será bem compreendido no céu… Se o compreendêssemos na terra, morreríamos, não de pavor, mas de amor. Se não fosse o Padre, a morte e a Paixão de Nosso Senhor de nada serviriam. O Sacerdote é o amor do Coração de Jesus. >
 
São João Maria Vianney
 
 
Anúncios

Vocação: Chamado do Senhor para sermos felizes em plenitude !

 

A vocação – seja qual for ela -, objetivamente é o maior valor que podemos possuir, pois ela é o caminho da plenitude da felicidade e realização de cada um de nós. É nela que se manifesta o plano do amor de Deus na vida de cada um de nós. Todavia, porém, subjetivamente – a partir de cada um de nós, a vocação terá o valor e a qualidade para cada um, fundamentado naquilo que viemos a deixar, para que pudéssemos vivê-la. Explico:

Objetivamente: a vocação é o grande dom de Deus a nós; é o chamado do Senhor feito a nós, para que, percorrendo um caminho específico, venhamos a nos realizar plenamente em todos os sentidos da nossa vida.

Subjetivamente: o que deixamos, para seguir este caminho, diante do convite de chamado do Senhor? Deixamos muitas ou poucas coisas? Isso que deixamos possui um valor incomensurável? Pois quanto mais valioso é aquilo que deixamos, tanto mais valioso vai se tornar a vocação para nós.

Nunca me esqueço do que fui convidado a deixar para seguir o caminho do sacerdócio: estava prestes a me casar, quando tive de sublimar um relacionamento com uma noiva maravilhosa; um futuro brilhante no exército; quando fui para o seminário, deixei o meu pai, que estava canceroso, em casa; tive que deixar a minha família e tantas outras coisas, riquezas, para ir em busca do tesouro de maior valor, aquele terreno do Evangelho.

Hoje, percebo que seria muito feliz e realizado se não tivesse dado meu “sim” para o Senhor e tivesse constituído uma família em Deus. Todavia, não seria plenamente feliz e realizado; plenamente feliz e realizado estou hoje: como pessoa, como sacerdote, como missionário na Canção Nova, pelo fato de estar na vontade de Deus.

Muitas vezes, me deu vontade de desistir. Mas por que não consegui desistir? Porque tudo aquilo que me impulsionava a desistir era infinitamente menor do que os valores que deixei, fazendo com que minha vocação se tornasse o maior tesouro, maior até mesmo que tudo o que deixei.

Aquilo que deixamos, com amor e de forma generosa, quando fazemos para alegrar o Coração de Deus, é justamente isso que dará valor – para nós – à vocação que o Senhor nos chama. Para dizer que vale a pena deixar nossas preciosidades para adquirirmos a Riqueza por excelência: Deus e Sua vontade em nossa vida.

Quantos resolveram optar pelas suas preciosidades e as deixaram de trocar pelo Tesouro maior, que é Deus e Sua vontade e, por isso, trazem por toda a vida uma decepção profunda de não poder estar no lugar certo, sendo aquilo que o Senhor os chamou. Sim, são felizes, porém, não são plenos; sempre trazem consigo a certeza de que, se tivessem respondido de forma diferente, seriam plenamente felizes.

Vocação acertada é a certeza absoluta de vida plenamente feliz e realizada! Como sabermos se estamos na vocação certa e qual a nossa vocação? Seja de Deus, íntimo d’Ele! Como consequência dessa intimidade acontece a manifestação de um Deus, que é Pai e que manifesta Seu plano de amor para cada um de nós.

Padre Pacheco – Comunidade Canção Nova

 

LADAINHA DE CRISTO SACERDOTE E VÍTIMA

 

Senhor, tende piedade de nós. Senhor, tende piedade de nós.

Cristo, tende piedade de nós. Cristo, tende piedade de nós.

Senhor, tende piedade de nós. Senhor, tende piedade de nós.

Cristo, ouvi-nos. Cristo, ouvi-nos.

Cristo, atendei-nos. Cristo, atendei-nos.

Deus, Pai dos céus. Tende piedade de nós.

Deus, Filho redentor do mundo.

Deus, Espírito Santo.

Jesus, Sacerdote e Vítima. Tende piedade de nós.

Jesus, Sacerdote eterno segundo a ordem de Melquisedec.

Jesus, Sacerdote que Deus enviou para evangelizar os pobres.

Jesus, Sacerdote que na última ceia instituístes a forma do sacrifício perene.

Jesus, Sacerdote que sempre viveis para interceder por nós.

Jesus, Pontífice que o Pai ungiu com o Espírito Santo e com poder.

Jesus, Pontífice tomado dentre os homens.

Jesus, Pontífice constituído em favor dos homens.

Jesus, Pontífice da nossa fé.

Jesus, Pontífice mais glorioso que Moisés.

Jesus, Pontífice do verdadeiro santuário.

Jesus, Pontífice dos bens futuros.

Jesus, Pontífice santo, inocente e puro.

Jesus, Pontífice fiel e misericordioso.

Jesus, Pontífice inflamado pelo zelo de Deus e das almas.

Jesus, Pontífice eternamente perfeito.

Jesus, Pontífice que por vosso sangue penetrastes no céu.

Jesus, Pontífice que iniciastes um novo caminho para nós.

Jesus, Pontífice que nos amastes e nos lavastes dos nossos pecados com o vosso sangue.

Jesus, Pontífice que vos entregastes a Deus como oblação e vítima.

Jesus, Vítima de Deus e dos homens,

Jesus, Vítima santa e imaculada.

Jesus, Vítima imolada.

Jesus, Vítima pacífica.

Jesus, Vítima de propiciação e de louvor.

Jesus, Vítima de reconciliação e paz.

Jesus, Vítima pela qual temos confiança e acesso a Deus.

Jesus, Vítima que viveis pelos séculos dos séculos.

Mostrai-vos propício. Perdoai-nos, Jesus.

Mostrai-vos propício. Escutai-nos, Jesus.

Da passagem temerária às sagradas ordens. Livrai-nos, Jesus.

Do pecado do sacrilégio.

De toda ganância desonesta.

Do espírito de incontinência.

De toda mancha de simonia.

Da administração ilícita dos bens da Igreja,

Do amor do mundo e das suas vaidades.

Da celebração indigna dos vossos mistérios.

Pelo vosso eterno sacerdócio.

Pela santa unção com que Deus Pai vos constituiu sacerdote.

Pelo vosso espírito sacerdotal.

Pelo ministério com o qual glorificastes vosso Pai sobre a terra.

Pela vossa cruenta imolação, feita uma vez por todas, na cruz.

Pelo sacrifício renovado que exercitais de modo invisível nos vossos sacerdotes.

Para que conserveis em santidade e fidelidade a ordem sacerdotal.

Para que outorgueis se vosso povo sacerdotes segundo o vosso coração.

Para que os enchais com o espírito do vosso sacerdócio.

Para que os lábios dos sacerdotes sejam fontes de sabedoria.

Para que envieis trabalhadores fiéis à vossa messe.

Para que multipliqueis os dispensadores dos vossos mistérios.

Para que lhes concedais perseverar no cumprimento da vossa vontade.

Para que lhes concedais mansidão no ministério, prudência na ação e constância na oração.

Para que promovais por eles a devoção ao Santíssimo Sacramento em todos os lugares.

Para que recebais no vosso gozo os que vos serviram bem.

Cordeiro de Deus; que tirais o pecado do mundo. Perdoai-nos, Senhor.

Cordeiro de Deus que tirais o pecado do mundo. Ouvi-nos, Senhor.

Cordeiro de Deus que tirais o pecado do mundo. Tende piedade de nós.

Jesus, sacerdote. Escutai-nos.

Jesus, sacerdote. Ouvi-nos.

OREMOS:

 <  Deus, santificador e protetor da vossa Igreja, suscitai nela, por meio do vosso Espírito, dispensadores idôneos e fiéis dos vossos santos mistérios, para que, pelo seu exemplo e ministério, o povo cristão encaminhe-se baixo a vossa proteção pelos caminhos da salvação. Por Cristo nosso Senhor. Amém >

 

Exemplo no Sacerdócio

A última palavra: a dos Santos !

 

 

 

 

 

Recebi um email  hoje que, entre outras coisas, a pessoa me escreveu dizendo assim: < Meu falecido nono serviu como jardineiro no Vaticano e deixou de ser católico porque a ele foi dado ver coisas ABOMINÁVEIS… Ele imigrou para o Brasil e jamais entrou na Igreja… >

Eu penso  que jamais o pecado de alguém  pode ser  dado como  justificativa de deixarmos a Igreja. Por pior que possa ser o padre, o bispo, os religiosos. Ou ainda, até mesmo  por pior que possa ser uma Diocese inteira; às vezes, podemos chegar até a esta triste realidade a de vermos uma Diocese inteira tomada pelos maus sacerdotes, onde a má conduta possa já estar generalizada no meio clerical. Mesmo que isso venha acontecer, a última palavra na  nossa Igreja será  sempre a dos seus Santos. Será daqueles que deram o testemunho de Cristo com as suas vidas. E os exemplos de santidade não nos faltam e jamais faltará, porque foi  o próprio Cristo  quem nos deixou isso bem claro: < As portas do inferno não prevalecerão sobre a minha Igreja. > Então, a última palavra da Igreja não ficará com os padres homossexuais, pedófilos,  maçons, amasiados… Será a dos seus Santos. 

Se a pessoa citada no email deixou a Igreja pelo mau exemplo de alguns padres – e poderiam ser até a maioria, ali naquele lugar – esta pessoa, infelizmente, deixou de olhar para a Igreja como um todo, deixou de ver  os seus  bons exemplos. Deixou de estar com os seus Santos. Antes de abandonar a Igreja, ela abandonou  a pessoa de Jesus Eucarístico.  E nós não abandonamos Deus por causa dos outros. Abandonamos por causa de nós mesmos. Por conta das nossas próprias fraquezas.

O mau testemunho de um Sacerdote não pode ser a razão de largarmos a Igreja. Antes, somos chamados a olharmos para os nossos Santos, vou citar alguns homens e mulheres que foram apaixonados por Cristo: Pe. Pio, Madre Teresa de Calcutá, Edith Stein (na foto), São João da Cruz, Santa Catarina… e tem mais, muito mais… só não enxerga quem não quer ver!

Vou terminar com uma frase de São João  Crisóstomo sobre os maus padres, esses tantos sacerdotes que antes de salvarem as almas  a eles  confiadas, acabam fazendo por perde-las: < Que nunca Deus é tão ofendido como quando os que o ultrajam estão revestidos da dignidade sacerdotal. >  Ao invés de abandonarmos a Igreja por conta destes maus sacerdotes, devemos ajudá-la a ser mais  Santa, a começar por nós mesmos!

Ernesto Peres de Mendonça – Comunidade Família de Deus

 

 

  

< Dou graças a Deus pelo que sois e pelo que fazeis, recordando a todos que nada jamais substituirá o ministério dos sacerdotes na vida da Igreja. A exemplo e sob o patrocínio do Santo Cura d’Ars, perseverai na amizade de Deus e deixai que as vossas mãos e os vossos lábios continuem a ser as mãos e os lábios de Cristo, único Redentor da humanidade. Bem hajam!  >

Papa Bento XVI 

A nossa oração de todo o dia:

 

  

 CORAÇÃO EUCARÍSTICO DE JESUS

LIVRAI OS NOSSOS SACERDOTES

DAS INSÍDIAS DE SATANÁS >